Diarices

Eu desisti de todos os meus sonhos



No final de 2019, pela primeira vez na minha vida eu tive meus sonhos muito bem definidos: minha formatura e viajar para a China. Em 2020, eu desisti de tudo.

O ano já começou com um chute no estômago com o diagnóstico da minha mãe. Quando o médico nos informou do tempo de sobrevida, eu tive certeza que ela não estaria presente no dia da minha formatura, que deveria ser um dos melhores dias da minha vida — sabe aquelas meninas que passam suas vidas inteiras sonhando com o dia do casamento? Pois bem, passei minha vida inteira (dos últimos meses de 2019, claro) sonhando com o dia da minha formatura (afinal, não tive formatura do ensino fundamental, do médio e, pelo andar da carruagem, não terei da graduação também). Como poderia ser um dos melhores dias da minha vida sem a minha mãe? Eu sei que enquanto eu estiver viva, serei capaz de vivenciar milhares de coisas boas, serei capaz de sentir alegria e ter dias bons, mas todos eles serão dias sem a minha mãe. E eu sinceramente não sei se qualquer dia sem ela mereceria o título de melhor dia da minha vida.

Pois bem, como se já não fosse o suficiente, veio a pandemia. Quando vi as primeiras notícias, na metade de janeiro, já imaginei que, se o negócio chegasse no Brasil, seria caótico. Eu previ a cagada que ia dar e não foi nem questão de sexto sentido, foi questão de simplesmente compreender o que um governo com ideais neoliberais faz. Portanto, já fui riscando também o sonho de visitar a China a qualquer momento em breve…

A coisa já está bem controlada lá, mas não aqui. Então, mesmo que eu tivesse todo o dinheiro do mundo, eu não seria capaz de ir para a China hoje — afinal, as portas estão todas fechadas para voos do Brasil. E só Deus sabe quando elas vão abrir novamente, e depois que abrirem, quando eu vou conseguir um emprego e conseguir juntar dinheiro o suficiente para viajar, e quando eu tiver esse dinheiro, quem sabe eu não consiga tirar férias para conseguir ir lá visitar, afinal de contas agora que pode descontar idas ao banheiro das férias, vai ver eu vou passar todas as minhas férias no banheiro mesmo.

Com isso em mente, resta-me um total de 0 (zero) sonhos. Se tudo der certo, ainda vou me formar, mas a formatura já foi pras cucuia (ou vocês acham que até a data limite já vai ser possível realizar eventos de grande porte? eu sinceramente não tenho nenhuma esperança), e a viagem pra China, bem, vai depender de uma caralhada de coisa que tá longe de estar ao meu controle.

E eu sei que “desisti dos meus sonhos” não é o que as pessoas gostariam de ouvir, eu sei que isso me faz parecer uma pessoa extremamente pessimista e amargurada. Quem sabe eu seja mesmo. Mas eu vou dar uma de coach e maquiar as palavras para tornar esse texto em uma linda mensagem motivacional.

Não é que eu desisti dos meus sonhos, é que eu olhei as circunstâncias ao meu redor e… me adaptei.

4 respostas em “Eu desisti de todos os meus sonhos”

victor disse:

não posso dizer que entendo exatamente o que tu sente pois não passei pelo que tu passou, mas muito de 2020 me fez desacreditar na vida, no amor, nas pessoas e em tudo. como não sou a melhor pessoa para dizer coisas inteligentes mas não queria deixar de dizer que tu não está sozinha, compartilharei um pouco do meu 2020. se ficar sem sentido ou te fizer sentir mal de alguma forma, eu sinto muito por isso. não é a intenção.

esse ano, em que foi deixado praticamente certo que ninguém será capaz de se formar por bastante tempo e que o brasil já está desacreditado (pior ainda, condenado às mãos de um governo incompetente e da ignorância popular) é muito excruciante ter certeza que alguns sonhos terão que esperar, e isso de fato faz com que deixemos de acreditar em sonhos. meu ensino médio atrasou 2 anos e porra, sabe o quão chato é ter que passar 5 anos num negócio que tinha que durar 3 sendo que a pessoa não reprovou nenhuma vez (pelo contrário, entrou adiantada)?

o que quis dizer é que sei que muitos planos e sonhos foram destruídos em decorrência dela. essa parte sou capaz de entender, pois devia entrar na faculdade nesse ano e meu sonho era estar cursando biologia, astrofísica ou sei lá, algo em ciências da natureza aos meus 18. queria ter iniciado meu tratamento hormonal e já poderia, pois tenho convênio e todas essas coisas em meu acesso. é o maior sonho da minha vida poder me enxergar como sei que sou e adaptar certas partes do meu corpo para que minha casa, meu templo e todas essas outras palavras usadas para descrever o corpo físico, pudesse ser mais confortável.

não posso dizer que conheço a dor da perda, porque as pessoas que perdi não foram grandes baques na minha vida. no entanto, tenho perdido esperanças a cada dia que passa, mesmo tentando manter a perseverança e me esforçando com todo meu coração para ser otimista. o que quero dizer é que imagino vagamente o quão difícil esteja sendo, embora não sinta o que tu sente. e apesar de não ser o que as pessoas querem ouvir e de saber o quão fácil é a condenação destinada a quem tem pensado dessa forma, é justamente isso: não é fácil lidar com sucessivas sensações de perda. esses sentimentos são válidos, e tu não está sozinha nessa.

como de costume, vou me despedir pedindo desculpa caso tenha dito abobrinhas vksdjfsdf gosto muito de ler o que tu escreve, faz com que eu pense e me conecte bastante com o que sinto e o que sou, coisa que frequentemente esqueço de fazer. obrigado por isso.

Érica santos disse:

Entendi depois que o final, fiquei chocada que li, desistir dos meus sonhos, eu sou muito de nunca desistir haha, mas, as vezes a vida prega peças na gente que é difícil não se abalar, mas de apenas um tempo pra tudo isso, quem sabe vc viaja pra China e posta aqui no blog como foi, né? Eu espero que sim, beijos flor!

Moh disse:

Hey, Masha!
2020 (e 2021) tem sido muito duros, não? É super entendível o que você tem sentido, embora não imagino como é sentir essa dor da perda de alguém tão próximo e ainda de adiar o sonho de ir visitar outro país. Apesar de tudo, sinto muito por isso.

Sobre o Brasil, só consigo rir cada vez mais de nervoso (pra não ficar com mais raiva ou chorar) com esse excelentíssimo governo (ironias aqui). Infelizmente, assim como muitos, perdi as esperanças e tive que adiar muitos sonhos… Infelizmente só consigo pensar que o que estamos vivendo e cair em ladeira abaixo, embora eu tenha ainda um tiquinho, um respiro de nada de esperança. Acho que essa “frase de coach” que você colocou no fim resumi toda a situação (e mesmo que “desistir dos sonhos” seja amargurado, consigo sentir que é mais realista, ainda mais pela situação, pelo menos pra mim).

Beijos ;*

Shana disse:

Oi Masha <3

Eu leio teu post e concluo que você não desistiu – seus sonhos foram tirados de você sem a sua autorização, e você se culpou por isso, menina. Não seja assim.

Mas eu entendo a sua sensação. Meu sonho era ser psicóloga, e depois que eu me formei e comecei a trabalhar, eu me deparei com um enorme vazio sobre: tá, eu alcancei o meu sonho, qual o sentido da minha vida agora?

E também entendo sobre a perda. Quando meu pai morreu (diga-se de passagem, eu me formei em abril e ele morreu em dezembro, 20 dias antes da minha data comemorativa favorita. Montanha-russa que chama?), eu também me perguntei muito se eu queria fazer coisas agora que eu não podia mais dividí-las com ele. Qual o sentido de casar, ter filhos, crescer na vida, se meu pai está morto? Porque eu não fiz tudo isso antes? Qual a graça de uma vida num mundo onde meu pai nem existe?
(E isso considerando que eu tive uma relação péssima com ele nos últimos 5 anos de vida dele.)

Eu acho – e tô falando mais da minha experiência do que da sua, talvez – que você está num momento que não pode exigir nada de si mesma. Levantar da sua cama e viver cada dia apesar da perda, já é um grande desafio, e acho que se você tem forças pra escrever sobre isso e lidar com sua dor, você já está fazendo mais do que o suficiente.

Não tenho a resposta para os sonhos ainda. Eu não sei se eu tenho sonhos hoje. Mas eu tenho desejos, e eles são mais próximos e mais palpáveis. Coisas como ter um domínio para o blog, adotar ratinhos e mudar sua alimentação são coisas pra se fazer, e do que a gente se conversa, você tem feito, né? Se dê uma colher de chá. Mas se não conseguir, tudo bem, porque é compreensível (eu sigo não me dando, e fazem 3 anos que meu pai se foi, né).

Espero que minhas palavras tenham mais de apoiado do que te chateado, e se foi o caso, peço desculpas. Como sempre falo, você fala de si com muita intimidade e eu fico entre tentar compartilhar algo contigo e me meter mais do que eu deveria -q

Um abraço quentinho, e obrigada de coração pelo presentinho ao Hishoku. Eu estava bem desanimada e fiquei muito feliz com a plaquinha <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem escreve

Masha, 26. Uma das coisas que mais amo nessa vida é escrever, motivo pelo qual não consigo simplesmente viver sem um blog.

Curitiba - PR

Instagram

Me paga um café?

Buy Me a Coffee at ko-fi.com

Participo